Você não precisa de dinheiro para sobreviver, você precisa de pessoas.

Israel Kairós
7 min readJul 12, 2023

Eu preciso de dinheiro para sobreviver, por isso, preciso trabalhar, trabalhar com o que tem disponível de trabalho, servir aqueles que tem dinheiro para me pagar, e se eu for marginalizado, então tenho que me esforçar dez vezes mais para conseguir um sustento digno, pois os ricos, só apoiam os ricos, e seu preconceito para com pessoas que carregam a mesma cor de pele que eu, o mesmo assento que eu, a mesma cultura que a minha, destrói a boa vontade de meu povo e extorque seus espíritos através do lavor diário imposto por uma engrenagem sistêmica que espreme as margens até que toda sua energia vital seja extraída para usufruto do sistema. Esse jogo não tem planos para acabar, e eu cansei de jogar de acordo com planos de outras pessoas, pra ser sincero, eu cansei de jogar qualquer jogo do qual eu não faça parte da criação.

O sistema de funcionamento do império capitalista patriarcal foi desenhado para que pessoas marginalizadas, que são mais do que 70% da população mundial, achem que não têm os recursos, nem o poder para mudar sua realidade, ou criarem, para si mesmas, o que elas precisam para sobreviver, sendo assim, são condenadas, por elas mesmas, a obedecerem a vontade e as leis daqueles que “têm” os recursos e o poder. Mas, a realidade é que cada uma dessas 5 bilhões de pessoas SÃO o poder e SÃO os recursos.

O verdadeiro recurso não é dinheiro, nem terras.
Terra não tem dono, não importa quantos papeis você tenha, quanto você tente, nem soldados, nem muros, nem bandeiras encobrirão a mentira psicológica envolvida na ideia de que um Ser Humano possa ser dono de terra alguma.
Quanto a dinheiro… dinheiro nunca construiu uma casa, nunca plantou uma árvore, nunca cozinhou uma comida, nem costurou uma roupa sequer. Quem faz tudo isso são pessoas, pessoas são o verdadeiro recurso. Porém… Pessoas escolhem (sem saber que têm a escolha) se vender por dinheiro. Elas fazem isso porque acreditam que precisam de dinheiro para comprar sua sobrevivência através dos serviços de outras pessoas. E essas outras pessoas vendem seus serviços por dinheiro porque acham que vão precisar do dinheiro para comprar sua sobrevivência das mesmas pessoas para a qual vendem seus serviços.

Todas jogando sozinhas. Essa é a artimanha do sistema, separar as pessoas para que elas pensem que a única forma de se sustentar é através do sistema, quando na verdade existem outras formas muito mais eficientes e prazerosas de se sustentar, como por exemplo: através de uma Vila.

Você não precisa de dinheiro para sobreviver, você precisa de pessoas colaborando em conjunto para criarem os recursos que cada indivíduo precisa para sobreviver.

Não é parte da natureza, nem existe nenhuma lei divina que nos obrigue a nos curvar perante as leis irrazoáveis ​​do império patriarcal capitalista, ou das nações-estado. Curva-se ou não se curvar é uma escolha individual. Você apenas não sabia disso. Por razões óbvias, isso não é ensinado na escola, já que a escola, foi concebida como parte importante do sistema patriarcal capitalista.

Pessoas vêm escolhendo (sem saber que tem escolha) usar o sistema arcaico de troca chamado dinheiro, ao invés de simplesmente prover para a vila o que a vila precisa, e receber da vila o que elas precisam. Elas só escolhem isso porque foram ensinadas assim, e treinadas por muitos anos a acreditar que é assim que as coisas são. O que não se é percebido é que através do sistema do dinheiro, a única forma na qual pode existir, dentro da cabeça de um ser humano, a ideia insana de que 1% da população tenha qualquer tipo de poder sobre 99% da população .

E por que as pessoas não pensam nesse tipo de coisa? Bem… por que a cabeça delas já está ocupada com o conteúdo escolhido pelo sistema. A melhor forma de manipular a população, é fazer a população achar que é livre. Dê uma pequena área delimitada de como a população pode agir, e dentro dessa delimitação permita debates, pontos de vista e opiniões. Pronto. As pessoas pensam que são livres para mudar a própria realidade, quando na verdade, nenhuma das mudanças mudam de fato o sistema, apenas mudam a forma que ele toma.

Um exemplo que retrata a ineficácia do sistema atual, e as possibilidades de novos sistemas é o seguinte:
Imagine que toda a população de Manaus decida parar de fazer parte do sistema, parar de usar o dinheiro como moeda de troca. E ao invés disso, ao invés de venderem seu tempo entre si, e ao invés de venderem seu tempo a grandes empresas que usam sua mão de obra para extrair os recursos da terra local e extraviá-los para países estrangeiros, toda essa população se torna uma grande vila formada por múltiplas vilas de 7 a 21 pessoas, e dentro de cada uma dessas vilas, pessoas plantassem para que sua vila e as vilas vizinhas comam, costurassem para que sua vila e as vilas vizinhas tenham roupa, fizessem arte para que sua vila e as vilas vizinhas apreciem a arte, construíssem para que sua vila e as vilas vizinhas tenham casa, protegessem a floresta para que sua vila e as vilas vizinhas tenham floresta. Seguindo a regra básica de que: quem serve a vila, é servido pela vila. A única moeda de troca disponível é serviço para a vila. E toda a vila que serve ao grande círculo de vilas, é então servida pelo grande círculo de vilas.

De repente, Manaus que hoje é uma cidade com um índice de pobreza financeira batendo os 40% por cento, e pobreza espiritual em grande escala (assim como toda grande cidade), se torna um local de abundância tremenda e riqueza infinita, pois seres humanos colaborando podem criar muito mais recursos do que eles mesmos precisam.

Nessa nova possibilidade de cultura para Manaus, todos seriam abundantes, não importando a cor, o gênero, ou a etnia. Apenas a regra básica: se você serve a vila, a vila te serve. A forma de pagar por tudo que a vila vai oferecer para você, e para seus filhos, para os idosos e para os deficientes da sua casa, é você oferecer para a vila 2 coisas: 1 — o que a vila precisa, e 2- servir a Vila aquilo que faz seu coração vibrar. Com o ajustar da cultura, e o passar do tempo, é muito provável que essas duas coisas se tornem uma.

O sistema tem poder sobre as pessoas por que ele separa as pessoas, instiga a partir do seu funcionamento a ideia de que para sobreviver você precisa ser egoísta, pensar em si primeiro, precisa lutar por um lugar ao topo da hierarquia.
Diferente da ideia aparentemente revolucionária de que “o povo unido tem o poder para mudar o governo” eu acredito que as pessoas unidas tem o poder de criar a cultura que elas querem, o sistema, os recursos e o suporte que elas precisam, para viver a vida que o SER delas quer viver.
Para que eu vou mudar o governo?
Não estou interessado em comprar briga, ele é cheio de estratégias de defesa que impedem sua mudança.
Eu não tenho interesse em mudar o sistema atual, ele é velho, desatualizado, cheio de problemas e bugs…
Eu prefiro deixar o sistema, juntar meu time, e criar um novo sistema mais consciente e responsável, enquanto construo pontes para que outras pessoas façam o mesmo. Prefiro deixar o sistema atual apodrecer de velho e morrer sozinho.
Já com as pessoas que ainda estão no sistema eu me importo, mas elas só vão sair do sistema atual se verem que existe uma outra possibilidade, e se perceberem a ineficácia do sistema no qual estão.
Não há razão em lutar para convencer o topo da hierarquia a mudar as leis; é só sairmos das bases e irmos jogar em outro mundo de jogo, abandonar o barco, largar as estruturas hierárquicas construídas, especialmente, dentro de nós. E simples assim, quem “faz as leis”, terá no máximo de poder de escolher sob qual lei ele põe a si mesmo. ponto.

O verdadeiro recurso, o verdadeiro poder, é o Ser Humano. Você não consegue sair do sistema sozinho, pois você não consegue sozinho tudo o que você precisa para viver. E enquanto você não tiver o que precisa para viver, você se submeterá ao sistema em busca de sobrevivência.
Mas mesmo que você hoje esteja sozinho , você consegue começar uma vila, juntar as pessoas, convidar as pessoas, e então, com uma vila formada, você consegue deixar o sistema, pois com uma vila, você tem inteligência coletiva o suficiente, mãos o suficiente , tempo o suficiente, talentos o suficiente e recursos o suficiente para não só atender às necessidades básicas de todos da vila, mas, também, para gerar recursos de sobra que possam servir à proteção do planeta terra e seus habitantes.

Uma vila, no contexto atual, não pode mais ser autossustentável, nós já passamos desse ponto, já estragamos o planeta mais do que deveríamos, agora nós precisamos ser regenerativos, precisamos tornar, cada vez melhor, os locais por onde passarmos. Esse é o caminho que vejo para reconstruirmos um mundo melhor para a nossa geração, e as gerações que estão por vir.

Minha proposta para você é: saia do império patriarcal capitalista (dentro de você), e junte um tempo para sair do império patriarcal capitalista fora de você. Crie suas próprias leis aplicáveis ​​nos valores do seu SER, e não siga as leis irracionais do império patriarcal capitalista, e por último, mas MUITO importante: não seja preso. Pelo menos até que pessoas, o suficiente, mudem de ideia sobre o império patriarcal capitalista, não ser preso é uma preocupação a se carregar.

A forma como eu estou começando a minha jornada para fora do Patriarcado é através de iniciações autenticadas na idade adulta (especialmente no contexto de Gestão de Possibilidades), é a forma como estou construindo minha ponte para o Arquiarcado, é através de criar uma nanonação de adultos iniciados que trabalham com permacultura inteira, e juntos colaboram para gerar os recursos não só para a sobrevivência dos membros da vila, como também para a criação de pontes regenerativas para que outras pessoas possam usar como entrada ao seu próprio caminho de transformação.

É assim que estou começando, e você?
Como você vai começar?

Com amor, um homem arcano comum.

ps: se você está na duvida de por onde começar, os links atrelados ao paragrafo de cima podem te dar alguma dica.

--

--

Israel Kairós

𝙲𝚛𝚒𝚊𝚗𝚍𝚘 𝚙𝚘𝚜𝚜𝚒𝚋𝚒𝚕𝚒𝚍𝚊𝚍𝚎𝚜 𝚙𝚊𝚛𝚊 𝚞𝚖𝚊 N𝚘𝚟𝚊 𝙲𝚞𝚕𝚝𝚞𝚛𝚊. //𝐏𝐨𝐬𝐬𝐢𝐛𝐢𝐥𝐢𝐭𝐚𝐝𝐨𝐫 - 𝐂𝐨𝐦𝐮𝐧𝐢𝐜𝐚𝐝𝐨𝐫 - 𝐀𝐫𝐭𝐢𝐬𝐭𝐚